Bunkyo recebe doação de 1.500 bonecos hina ningyo

Compartilhe

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

abreNo último dia 1º de agosto, o Bunkyo – Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e de Assistência Social recebeu a doação de 1.500 bonecos do tipo hina ningyo da Associação Awa Katsuura Idobatajyuku, da província de Tokushima (Japão).

Esta doação faz parte do lote de 3.000 hina ningyo que foi trazida para o Brasil pela Nihon Sport Geijutsu Kyokai (Associação de Arte Esportiva do Japão), por conta da realização dos Jogos Olímpicos Rio 2016.

Da metade que permaneceu no Rio de Janeiro, 800 bonecos serão expostos no Japan House, montando pelo governo japonês, que ficará aberto durante o evento esportivo. Depois, os hina ningyo serão doados para a Associação Cultural e Esportiva Nipo-Brasileira do Estado do Rio de Janeiro – Renmei.

O lote de bonecos destinados ao Bunkyo chegou no sábado de manhã e a cerimônia de doação ocorreu na manhã de segunda-feira, dia 1º, com a presença dos representantes da entidade de Tokushima, entre eles, especialistas nesse tipo de bonecos.

doacaoEntre os inúmeros costumes japoneses, anualmente, no dia 3 de março realiza-se o Hina Matsuri, o Dia das Meninas, ocasião em que, as mães ou avós, junto com as filhas, montam o conjunto de bonecos hina ningyo, um ritual que tem como finalidade desejar proteção e crescimento saudável a essa criança.

Em geral, são aos avós maternos que compram o conjunto de bonecos para a neta recém-nascida e, todo ano, no início de março, ele será montado em algum lugar de destaque da casa para renovar os votos de saúde e proteção à dona do presente. Depois de cerca de uma semana, esse conjunto será desmontado e guardado novamente. Esse ritual se repetirá até por volta dos 16 anos de idade da garota. Também é comum que um novo conjunto de hina ningyo seja comprado ao nascimento de cada filha.

É aí que nasce um problema e o caminho para um grande evento!

Com o crescimento da filha, o que fazer para “aposentar” o hina ningyo? Jogá-lo no lixo, simplesmente? Uma família japonesa jamais faria isso.

Acredita-se que esses bonecos têm incorporado “o espírito do guardião” da dona e, ao mesmo tempo, seria uma pena descartá-lo como se faria com uma tevê usada! Então, o que fazer com tantos bonecos?

Preservação da arte dos hina ningyo

explicacoesO Hina Matsuri (Festival das Bonecas) passou a ser realizado a partir do período Edo (séculos 17 a 19) para comemorar o Dia das Meninas. Ele tem origem num antigo costume japonês no qual bonecas feitas de papel eram colocadas num rio, levando consigo os males ou os maus espíritos.

Um jogo completo de Hina Matsuri tem cerca de 15 bonecos com vestimentas tradicionais do período Edo, que representam Imperador , Imperatriz, serviçais, senhoras da corte e músicos. Também é costume colocar miniaturas de mobílias, ferramentas, carruagens, entre outros, tais como as flores de pêssego como enfeite e que simbolizam a felicidade no casamento.

Atualmente, conta Haruyo Kunikiyo, diretora da Awa Katsuura Idobatajyuku, por uma questão de praticidade e, principalmente, de falta de espaços nas casas (para montar e guardar), tem sido adotado um conjunto básico de cinco bonecos, e se antes os rostos e mãos era feitos de argila com acabamento de uma massa especial, hoje são feitos de plástico e madeira. As roupas, no entanto, continuam sendo de brocado. As feições dos bonecos também passaram por algumas mudanças adaptando-se à moda da época.

todos“Imaginem que esses conjuntos existem aos montes no Japão e muitas famílias não sabiam o que fazer com esses bonecos”, conta a diretora, acrescentando que, no Japão, anualmente, calcula-se que cerca de 10 mil bonecos são “aposentados”. Foi assim que, em 1988, com o apoio da prefeitura de Katsuuracho, um grupo de voluntários passou a receber esses hina ningyo em doação.

Ao receber esses objetos, conta a diretora, um dos primeiros procedimentos é realizar a cerimônia do kuyô (cerimônia em memória aos mortos) que, simbolicamente, representa uma “ruptura” com o antigo dono. “Esses são importantes objetos de arte relacionados a uma manifestação da tradição japonesa os quais devemos nos esforçar para continuar preservando”, explica a diretoria.

Diante da grande quantidade de bonecos, além de fundar a entidade não governamental responsável (Awa Katsuura Idobatajyuku), e cuidar da preservação desses hina ningyo, também realizam o Grande Festival de Bonecas, que atualmente está na 25ª edição. A principal atração é uma pirâmide com 100 degraus e cerca de 30 mil bonecos, colocados numa bela e exuberante ornamentação.

hina ningyoCom a realização dos Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro e os preparativos para receber a próxima edição em Tóquio, surgiu a ideia de doar uma parte desse imenso acervo da entidade – cuja tendência é crescer com o passar os anos. “Acreditamos que seria interessante doar esses bonecos para o Brasil com a finalidade de incentivar a divulgação da cultura japonesa”, destacou a diretora Haruyo Kunikiyo.

De acordo com ela, em anos anteriores foram destinados alguns bonecos para o exterior, mas esta “é a primeira vez que uma quantidade tão grande (3 mil) é destinada ao exterior”. No Bunkyo, as embalagens estão sendo abertas e montados os conjuntos de 15 bonecos, que depois serão doados para as entidades nipo-brasileiras interessadas.

Confira o calendário de eventos completo