NO 11º FIB, O ENFOQUE AO TEMA: “NÓS, NIKKEIS BRASILEIROS”

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

“Ser Nikkei é ter a essência dos dois mundos”.
Essa foi uma das afirmativas colhidas no encerramento da 11ª edição do FIB – Fórum de Integração Bunkyo, realizada nos dias 5 e 6 de outubro, no Salão Nobre do Bunkyo. O evento teve a participação de 167 pessoas vindas de seis estados brasileiros (São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Amazonas e Bahia), do Distrito Federal e do Japão.
O FIB é um evento que reúne representantes de associações que, por meio de palestras, workshops e troca de experiências, busca estimular o fortalecimento de redes de conhecimento coletivo e colaborativo e o engajamento de lideranças de diferentes gerações.

projeto
abertura

Um dos objetivos constantes do FIB é o de reunir líderes de diferentes associações jovens para integrá-los às ações e discussões do tema adotado a cada edição.
A proposta da 11ª edição buscou entender o que significa “ser nikkei”, não só na esfera pessoal, mas, como comunidade que faz parte da sociedade brasileira.
Neste ano, antes das reuniões, na tarde do dia 4 de outubro (sexta-feira), realizou-se um encontro com os representantes regionais para apresentar o Pavilhão Japonês do Parque do Ibirapuera e do Museu Histórico da Imigração Japonesa no Brasil.
Acompanhado por diretores do Bunkyo, participaram da visita os representantes regionais: Isaac Miyaoka (Santo André), Jorge Suzuki (São Paulo Sul), Ken Nishikido (Amazonas), Reinaldo Katsumata (Suzano), Roberto Mizushima (Salvador), Rogério Umeoka (Centro Oeste Paulista), Toshio Koketsu (Alta Sorocabana).
No sábado, os eventos do FIB
Na abertura da 11ª edição, o embaixador do Japão, Akira Yamada, fez a palestra “Comunidade Nikkei e Eu – Expectativa e Perspectiva à Comunidade Nikkei”.
Ele destacou a política do primeiro-ministro Shinzo Abe que, após visita os cinco países da América Latina e Caribe em 2014, “aumentou sua intenção de fortalecer a cooperação e a parceria com a comunidade nikkei”.
Discorrendo sobre identidade nikkei, acredita que os nipo-brasileiros “têm mais oportunidades de ter a consciência de sua identidade como nikkeis do que os de outros países”.
O embaixador Yamada afirmou que “gostaria que todos sejam bons brasileiros e, ao mesmo tempo, bons nikkeis, e que continuem mantendo a conexão com o Japão”. Estimulou a expansão do network dos nikkeis e finalizou: “eu acho que você jovens têm muitas boas ideias para desenvolver na sua comunidade nikkei, fortalecer a relação entre Japão e Brasil e tornar o Brasil um país melhor”.

Leia, a seguir, a íntegra da palestra do Embaixador Akira Yamada.
Bom dia a todos.
Estou muito feliz em poder participar deste Fórum de Integração Bunkyo e falar em frente dos senhores. Hoje, vou fazer uma apresentação com duração de 30 a 40 minutos, e depois, teremos uma sessão de perguntas e respostas.
Em primeiro lugar, vou me apresentar um pouco.
Cheguei ao Brasil como embaixador do Japão em agosto de 2017 e comecei a estudar português. Eu falo espanhol, mas ainda preciso melhorar meu português.
Faz dois anos desde que cheguei no Brasil, mas a minha relação com o Brasil já tem mais de 40 anos. Em 1976 a 1977, quando eu ainda era estudante universitário, visitei os três países – México, Brasil e Argentina em menos de duas semanas, como membro da missão da Câmara de Comércio da Juventude da Província de Fukuoka. Nesta ocasião pude conhecer as pessoas da comunidade nikkei, inclusive integrantes da Associação da Província de Fukuoka.
Durante esta viagem, eu fiquei no Brasil apenas por 5 – 6 dias e conheci apenas três cidades – São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília.
Entretanto, essa viagem deu um impacto ao restante da minha vida.
Eu estive relacionado à comunidade nikkei antes de ser diplomata.
Depois que eu me ingressei ao Ministério dos Negócios Estrangeiros do Japão em 1981, visitei o Brasil muitas vezes a trabalho. Após o estudo estagiário na Espanha, eu tive experiência de trabalhar nos países exteriores, como Argentina, Estados Unidos, Iraque, Espanha, México e Brasil. Na matriz do Ministério, trabalhei quatro vezes no Departamento da América Latina e Caribe. Para mim, o fortalecimento da cooperação e parceria com a comunidade nikkei da América Latina pode ser ̈life work, trabalho da vida ̈ como diplomata encarregado da América Latina. Até agora, tive várias oportunidades de pensar e formalizar políticas sobre cooperação e parceria com a comunidade nikkei na América Latina.
Tanto no México quanto no Brasil, venho visitado comunidades nikkei em várias regiões e participado de muitos eventos. No México, alguns nikkeis me disseram: “O Sr. Embaixador Yamada é o embaixador que participou de mais eventos da comunidade nikkei nos últimos 40 anos”.
Toda vez que visito comunidade nikkei de cada lugar, eu sinto os “empenhos pelos antepassados” para obter a forte confiança da sua sociedade através de paciência e esforço e assim como os “empenhos pelas pessoas atuais” para herdar as culturas e tradições japonesas dentro da sociedade nikkei e difundir as mesmas para a sociedade local.
A comunidade nikkei na América Latina continua mudando devido às mudanças de geração, de ambiente externo e entre outros fatores.
Ao pensar em cooperações e colaborações com a comunidade nikkei, considerando essas mudanças, eu sempre me pergunto:
Como é que as gerações nikkeis mais novas poderão manter sua identidade de nikkei e laços com o Japão e atuar ativamente, como divulgando os encantos do Japão “moderno” e as demais informações para sociedade em cada país? E para isso, o que podemos fazer por eles? Eu vou insistindo na importância desta cooperação com a comunidade nikkei, mesmo dentro do Japão.
Quanto à relação entre o governo japonês e a comunidade nikkei da América Latina, até o século 20, as políticas do governo foram desenvolvidas na forma de enviar imigrantes e apoiá-los. Embora tenha sido reconhecida a importância da sociedade japonesa em cada país, acho que faltava um pouco o ponto de vista de como cooperar e como desenvolver parceria com a comunidade nikkei.
Quando o próprio projeto de imigração terminou, o suporte aos imigrantes também foi diminuindo. Minha impressão é que, exceto especialistas e pessoas diretamente encarregado da América Latina e Caribe, o governo não compreendia e nem reconhecia profundamente sobre a comunidade nikkei da América Latina.
Em 2012, quando me tornei diretor do Departamento da América Latina e Caribe do Ministério, estudei sobre várias maneiras de como fortalecer a cooperação e a parceria com a comunidade nikkei e como formalizar essas novas medidas. Recebi várias opiniões dos meus colegas, inclusive do Sr. Fukushima, Cônsul-Geral em São Paulo daquela época. A retomado do Treinamento dos Ministério dos Negócios Estrangeiros chamado “GAIMUSHO KENSHU, que estava suspenso por algum tempo, é uma das medidas que realizamos. No entanto, não chegou ao ponto de que esta idéia de fortalecer a cooperação e a parceria com comunidade japonesa ficasse bem compartilhada dentro do governo japonês.
Um grande acontecimento que mudou essa situação foi a visita do Primeiro Ministro Abe aos cinco países da América Latina e Caribe (em julho e agosto de 2014). Quando fui explicar o programa da visita, o Primeiro-Ministro deu só uma instrução para mim, que é:
“Criar amplas oportunidades para reuniões com a comunidade nikkei em cada lugar”. Senti que essa instrução era uma prova de que o Primeiro-Ministro Abe dava importância para a comunidade nikkei.
Assim, eu queria fazer com que a visita do Primeiro-Ministro tornasse uma boa oportunidade para fortalecer a cooperação e a parceria com a comunidade nikkei da América Latina.
De fato, o Primeiro-Ministro levou mais tempo do que o planejado para as reuniões com a comunidade nikkei e falou sobre a importância para o Japão em trabalhar junto com a comunidade nikkei na América Latina. Em particular, me lembro fortemente sobre a festa de boas-vindas ao Primeiro-Ministro, que foi realizada aqui no salão de Bunkyo com a presença de mais de 1.000 pessoas, e que teve a sessão de fotos com 1,000 pessoas. *(episódios)
Após esta visita do Primeiro-Ministro à América Latina, o governo japonês, como um todo, aumentou sua intenção de fortalecer a cooperação e a parceria com a comunidade nikkei.
Sei que um dos temas do fórum desta versão é a “identidade nikkei”.
A identidade nikkei é um assunto difícil de se tratar por muito tempo.
Mesmo no Japão, não existe uma definição oficial de “Nikkei-jin”.
Por exemplo, segundo a Wikipedia, “Nikkei-jin” significa “um japonês que se mudou para fora do Japão e adquiriu outra nacionalidade ou residência permanente e seus descendentes”. Não acho que esteja errado, mas não é uma definição oficial.
Como a definição não é clara, não podemos dizer que o número de nikkeis que vivem em cada país anunciado pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros do Japão seja definitivamente correto. Dizem que residem 2 milhões de nikkeis no Brasil, mas ninguém pode garantir que este número esteja correto, pois é um dado apenas estimado.
No México, país que eu trabalhei antes do Brasil, até recentemente, diziam que o número de nikkeis seria cerca de 20 mil (está escrito assim no panfleto também). Este era um número razoavelmente confiável, mas no ano passado a Embaixada do Japão obteve a cooperação do Instituto Mexicano de Estatísticas Geográficas e estimou o número de nikkeis por meio de sobrenomes dos mexicanos. E de repente, o número aumentou a 100 mil. Este número combina com a minha sensação e não é um sem justo.
Realmente, não podemos saber o número exato de nikkeis.
Entre os descendentes japoneses que têm sangue japonês (em um sentido amplo), alguns se sentem profundamente conectados ao Japão, e outros não têm nenhuma consciência como “nikkei”. Isso não é nada de ruim. Entretanto, acho que precisamos ter a ciência da “diversidade de nikkeis” pois existem vários nikkeis, dependendo de país, região e geração. Isso pode ser mais aplicado ao dentro do Japão.
Aliás, acho que os nikkeis no Brasil têm mais oportunidades de ter a consciência de sua identidade como nikkeis do que os de outros países. Muitos “festivais japoneses” são realizados em várias regiões do Brasil e alguns são o maior festival da cidade. Será que existem outros imigrantes e descendentes que realizam tantos festivais? Parece que os nikkeis tendem ter mais consciência de sua identidade de origem que é a japonesa (NIHONJIN-SEI), do que os descendentes de imigrantes de outros países.
Uma pergunta foi realizada em 2018 pela comunidade nikkei do Instituto de Humanidades de São Paulo: “Quantos por centos se compõe por identidade japonesa em sua mente?” Como resultado, 84 % dos nikkeis responderam “mais de 50%”. Este número foi maior que eu esperava.
Quando alguém perguntado para um nikkei brasileiro: “Qual é a sua identidade?”, alguns têm dificuldade de responder prontamente.
“70% brasileiro, 30% japonês”? ou “50%, 50%“?. Pode ser que acabe sofrendo de identidade, pensando que não é um 100% brasileiro, nem um 100% japonês.
Pode ser esquisito eu responder a essa pergunta, mas quero compartilhar meus pensamentos pessoais.
Se eu fosse uma pessoa que nasceu e cresceu no Brasil e tem nacionalidade brasileira, queria responder que sou 100% brasileiro e ao mesmo tempo, 30% ou 50% ou 100% seria japonês. Sua “brasileiradade” não diminui por causa de ser um nikkei. Além disso, poderia pensar que “ser nikkei” significa ter outra identidade positiva que daria um valor acrescentado.
Felizmente, o Japão e o Brasil têm uma ótima relação de amizade e de cooperação. No Brasil, na maioria dos casos, o Japão tem uma boa imagem. O que acham da ideia de ter a identidade de “um brasileiro nikkei” que tem valor acrescentado positivo?
Gostaria que todos sejam um bom brasileiro e, ao mesmo tempo, um bom nikkei, e que continuem mantendo a conexão com o Japão de várias formas, como participar em festivais japoneses, envolver-se com disseminação da cultura japonesa, obter informações sobre o Japão e divulgá-las no Brasil. Também gostaria que expandisse seu círculo de atividades com amigos e conhecidos brasileiros não nikkeis que são interessados no Japão. Eu acho que isso faz com que a identidade nikkei seja aproveitada positivamente, e assim, consiga aprofundar a amizade entre o Japão e o Brasil, que seria muito bom para o Japão e o Brasil.
Entre as atividades das associações nikkeis no Brasil, o Taiko parece ser mais atrativo para os jovens. Pessoas nikkeis e não nikkeis estão trabalhando juntos para tocar o Tambor do Japão e revitalizando cada região com essa atividade. Também acredito que a comunidade Nikkei possa crescer de maneira vibrante com o poder de esportes como beisebol e gateball.
Daqui para frente, a rede da comunidade nikkei também poderá ser útil para as áreas de negócios internacionais com mais frequência.
Se eu puder pedir um favor a todos, seria o seguinte. Gostaria que estudasse o japonês mesmo que seja um pouco, e para quem já está estudando, que continuasse com a sua dedicação. Aprender um idioma é uma das melhores maneiras de entender a cultura de um país. Certamente, é difícil aprender o japonês como língua estrangeira, mas se estudar o japonês mesmo que seja pouco a pouco, poderá expandir suas visões. Eu acho que haverá mais oportunidades de visitar o Japão para estudar ou para participar de algum projeto de treinamento.
Agora, acho que o século 21 é a era da rede – Network.
A Internet começou a se espalhar pelo mundo no início dos anos 90.
O You Tube, um serviço atualmente muito comum, nasceu em 2005 e começou a ser conhecido no ano seguinte. O Facebook foi fundado em 2004 e o Twitter em 2006.
No século 20, era muito mais difícil se conectar com pessoas que estavam longe. Precisava de dinheiro, força de vontade ou paciência.
Mas agora, é muito mais fácil. Criem suas redes que ultrapassam cidades, estados e países, utilizando novas tecnologias e serviços.
Claro que é desejável expandir o network dos nikkeis, mas não apenas isso. Expandir a rede de vários temas com pessoas não nikkeis também abrirá suas possibilidades futuras. O que você gosta, em que você é bom, no que você está interessado. Através disso, podem conectar com pessoas no Brasil e no mundo.
E eu quero participar como parte dessa rede. A participação dos membros da embaixada e dos consulados gerais também será desejável.
Embora eu tenha sido convidado pelo organizador do Fórum de Integração Bunkyo, eu mesmo já queria participar do evento e conversar com vocês, jovens nikkeis. Escutando opiniões de todos, eu queria pensar juntos com vocês: como a comunidade Nikkei e o Japão poderiam fortalecer a cooperação e a parceria.
Eu acho que vocês jovens tem muitas boas idéias para desenvolver sua comunidade Nikkei, fortalecer a relação entre Japão e Brasil e tornar o Brasil um país melhor.
Aqui, quero terminar minha fala. Obrigado pela atenção de todos.
Agora, gostaria de começar a sessão de perguntas e respostas, em formato de um Bate-papo. Não fiquem nervosos. Façam qualquer pergunta ou dêem opiniões como quiserem. No entanto, como mencionei no início, eu ainda não posso falar o português tão fluentemente. Por favor, falem devagar.
Muito obrigado.

painel
grupos
equipe

Na sequência da programação, a palestra do prof. Masayoshi Morimoto, diretor-executivo da Associação Kaigai Nikkeijin Kyokai, ex-diretor-presidente da Sony Brasil e Sony Manufacturing Company of America.
Morimoto, que por seis anos consecutivos participa do FIB contribuindo com seu conhecimento, tratou sobre “Como os japoneses avaliam a sua sociedade e o povo japonês”, discorrendo sobre a visão que os ocidentais têm dos japoneses e a percepção dos japoneses sobre sua própria sociedade.
Depois, a presidente da Comissão do FIB 2019, Patrícia Takehana, fez a palestra com o tema “O que é ser Nikkei?” apresentando uma reflexão sobre o sentido amplo de nikkei e sobre o objetivo da comunidade nikkei na sociedade.
Nesse primeiro dia, antes do almoço, a atividade cultural ficou a cargo do major da PM Frank Itinose, chefe da Divisão de Análise Centralizada do Departamento de Prevenção do Corpo de Bombeiros. Além de sua trajetória profissional explicou sobre o Kyudo, a arte do arco e flecha japonês, na qual é graduado shodan pela All Nippon Kyudo Federation.
Na parte da tarde, foi desenvolvido o workshop “Projeto Geração” conduzido pela Comissão Kakehashi Japão-Brasil, sob a coordenação de Ricardo Nishimura, Hugo Teruya e Carla Okubo, utilizando técnicas de storytelling (ato de contar histórias), sensemaking (criação de sentido, pela qual as pessoas dão sentido às suas experiências coletivas) e mapa do conhecimento (organiza os conhecimentos / valores considerados importantes).
O workshop teve como objetivo identificar, por meio de histórias pessoais dos participantes, os valores da cultura nikkei e fortalecer os valores entre as gerações nikkeis.
Na sequência, o painel “Cultura japonesa x vida pessoal”, teve a participação de três convidados de perfis contrastantes: André Kondo (nikkei escritor, com 10 livros publicados e vários prêmios de literatura), Arthur Toyoshima (nikkei palhaço, fundador da organização Palhaços Sem Fronteiras do Brasil) e Shen Ribeiro (mestre do shakuhachi, flauta tradicional japonesa, estudou na Universidade de Belas Artes de Tóquio, apresenta-se como concertista no Japão, Brasil e Europa).
O primeiro dia do 11º FIB encerrou-se com um workshop de culinária em que os participantes prepararam o jantar, sob a coordenação do bufê Elisa Yoshimura Gastronomia.
No domingo, as atividades do FIB
A manhã do domingo iniciou com a apresentação de Fernando Matsumoto sobre os resultados do Projeto 110 + 10 anos, uma pesquisa realizada durante a comemoração dos 110 anos da imigração japonesa no Brasil envolvendo 5 eventos da comunidade. Ficaram destacadas as diferenças de resultados entre as gerações.
Na sequência, com a moderação de Claudia Nakazato, o painel sobre “A situação das comunidades japonesas no Brasil”, reuniu as pesquisadoras Tamiko Ogawa e Sueli Utsunomia (Akio Ogawa atuou como tradutor). Na ocasião, foi enfocado sobre os dados e vivências colhidos em pesquisa realizada pelo Centro de Estudos Nipo-Brasileiros em 437 associações nipo-brasileiras do país.
A seguir, o painel FIBs Regionais apresentou o relato dos coordenadores dos FIBs, realizados em 2019, enfocando seus principais aprendizados e planos futuros. Contou com a participação de Roberto Mizushima (FIB Nordeste), Alexandre Ochiai (FIB ABC) e Michelle Ywata (FIB Alta Sorocabana).
A atividade de fechamento do conteúdo do 11º FIB, conduzida por Iju Shimizu e Oston Hirano, consistiu na dinâmica “Nós, nikkeis brasileiros”. Os participantes foram divididos em pequenos grupos para a discussão a três questionamentos e formulação de uma frase final.
As perguntas foram: “Com base no conteúdo do evento, o que mudou na sua visão em relação ao que é ser nikkei?”; “O que você mudaria na sua atuação e qual o resultado esperado?” e “Considerando o seu papel na entidade em que atua, qual o impacto do seu trabalho na sociedade brasileira?”.
Entre as frases colhidas junto aos grupos, uma delas, afirmou “ser nikkei é ter a essência dos dois mundos”.
Outra ressalta: “Ao participar do 11º FIB, o grupo pode refletir sobre o autoconhecimento de como ser nikkei e concluiu que a nossa missão é a de divulgar, propagar e compartilhar os valores conhecidos como valores nikkeis, que foram conquistados pelos nossos ancestrais, para que esses sejam valores eternos e universais”.
Outra concluiu: “Notamos a importância de criarmos eventos com o propósito de acolhimento e inclusão, considerando os pontos positivos da cultura japonesa e brasileira de forma a impactar positivamente na sociedade”.

Confira o calendário de eventos completo