Entidades nipo-brasileiras: como reinventar-se e sobreviver na pandemia

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Warning: DOMDocument::loadHTML(): htmlParseEntityRef: expecting ';' in Entity, line: 1 in /home/storage/0/d6/cb/bunkyo/public_html/wp-content/plugins/tainacan/classes/class-tainacan-embed.php on line 148

O isolamento social imposto pela pandemia para muitas entidades nipo-brasileiras foi o momento para organizar alternativas para continuar exercendo seu papel junto à comunidade. 

Este é o cenário que a 12ª edição do FIB – Fórum de Integração Bunkyo apresentou na noite do último sábado, dia 19 de setembro, numa transmissão online de cerca de três horas de duração.

Com uma programação ágil, objetiva, a equipe organizadora do FIB, presidida por Patrícia Takehana, trouxe um precioso documento sobre o tema proposto: “Nikkeis no Brasil – Desafios da Pandemia”, enfocando as realizações em diferentes regiões do país.

Organizado em três blocos, o 12º FIB iniciou com o relato de atividades das regionais: Liga da Alta Paulista (que reúne 17 cidades da região), Londrina (Paraná), Campo Grande (Mato Grosso do Sul), Manaus (Associação Nipo-Brasileira da Amazônia Ocidental) e Nordeste (Federação Cultural Nipo-Brasileira da Bahia, que reúne 10 associações).

Esse bloco ainda contou com a participação do diretor-executivo da Associação Kaigai Nikkeijin Kyokai do Japão, Masayoshi Morimoto e, como convidada especial, a professora Mayumi Kawamura Madueño Silva, sócia-diretora da Escola Oshiman. Ambos falaram sobre a transmissão dos valores da cultura japonesa.

O segundo bloco contou com a saudação do cônsul-geral Ryosuke Kuwana e do presidente da Fundação Kunito Miyasaka, Roberto Nishio e abordou três tipos de ações, incluindo as de arrecadação financeira. Participaram os representantes da Academia do Futuro (Nippon Country Club), Boost (Associação Nipo-Brasileira de Campinas), Associação do Festival do Japão do Rio Grande do Sul, Associação Nipo-Brasileira de Goiás (que estava em pleno evento com o Bon Odori Drive-in), Kibo-no-Iê, “Campanha Amigo” do Museu da Imigração Japonesa no Brasil e Pavilhão Japonês, Grupo Escoteiro Caramuru e Movimento “Água no Feijão”.

Esse bloco também tratou sobre os eventos e entretenimentos adaptados para o momento reunindo relatos dos representantes da: Associação Cultural e Fomento Agrícola de Tomé Açu (PA), eventos de karaokê promovidos pela regional ABCD Baixada Santista, Alta Sorocabana com a comemoração do Centenário do Cemitério Histórico de Álvares Machado com o ritual do Shokonsai, Bon Odori promovido pelo grupo Oriente-SE de Sergipe (Aracaju), Bunka Matsuri e comemoração do Dia Internacional do Nikkei, ambos organizados pelo Bunkyo.

O terceiro bloco tratou sobre “desafios nikkeis, conexões entre nikkeis”, com as participações especiais de Katsuyuki Tanaka, presidente da Associação Kaigai Nikkeiji Kyokai; do cônsul Jiro Takamoto que atuou em São Paulo de 2015 a 2018 e atualmente está no Ministério dos Negócios do Exterior, na seção Brasil; embaixador do Japão Akira Yamada e professor Alberto Matsumoto, pesquisador da Universidade de Tsukuba e orientador da JICA para nikkeis da América Latina.

O 12º FIB que durante a transmissão somou 1.847 visualizações no Facebook e 2.300 no Youtube, pode ser assistido (ou revisto!) por todos os interessados. Está disponível no link www.youtube.com/bunkyodigital

Confira o calendário de eventos completo