30 Anos da Comunidade Brasileira no Japão: Destaque para Alguns Personagens

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Donos do próprio destino em uma nova terra. Certamente esta frase poderá resumir os destaques desta segunda live sobre a série “30 Anos da Comunidade Brasileira no Japão”, realizada na manhã do dia 7 de novembro, a partir das 9h.

Esta transmissão online, com a tradução simultânea (português/japonês), foi uma versão anual resumida do Simpósio Internacional realizada pelo CIATE – Centro de Informação e Apoio ao Trabalhador no Exterior, reunindo participantes do Japão e do Brasil destinada a atualizar informações sobre a situação dos brasileiros no Japão.

Após a abertura do presidente do CIATE, Masato Ninomiya, teve início a parte das saudações com Katsumi Ishizu, diretor da Divisão de Política de Emprego de Estrangeiros do Departamento de Estabilização de Empregos do Ministério da Saúde, do Trabalho e Bem-Estar Social, embaixadora Maria Luiza Ribeiro Lopes da Silva, Diretora do Departamento Consular do Ministério das Relações Exteriores; embaixadora Irene Vida Gala, representante do Eresp – Escritório de Representação em São Paulo do Ministério das Relações Exteriores.

Na sequência, dois palestrantes se encarregaram de atualizar os dados relacionados à presença dos decasséguis no Japão, bem como as providências adotadas pelo governo local para amenizar a crise. Ambos garantem que o governo continuará dando apoio aos trabalhadores nikkeis e seus familiares. 

Primeiramente falou o ex-embaixador Katsuyuki Tanaka, presidente da Associação Kaigai  Nikkeijin Kyokai. Em seguida, o diretor Katsumi Ishizu, da Divisão de Política de Emprego de Estrangeiros do Departamento de Estabilização de Empregos do Ministério da Saúde, do Trabalho e Bem-Estar Social.

Na sequência, dois relatos de experiências de jovens profissionais, filhos de decasséguis, residentes no Japão e recém-formados em universidades japonesas. Detalhe – ambos falaram em japonês.

Renan Eiji Teruya, sansei, é advogado, com registro na OAB japonesa, mora no Japão há 20 anos. Dedica-se a atender os clientes decasséguis. O outro é médico, Yuji Shimada, natural de Cuiabá (MT), chegou ao Japão com um ano e meio de idade, formado na Universidade de Shiga, atualmente é médico residente num hospital em Tóquio.

Outro depoimento foi de Arthur Muranaga, presidente do Conselho de Cidadãos de Tóquio do Consulado-Geral do Japão em Tóquio. De acordo com ele, a trajetória da comunidade brasileira no Japão pode ser dividida em três fases: a fase decasségui (juntar recursos e retornar), depois a de estabilidade no Japão e atualmente, a integração à sociedade japonesa.

Na sequência, a apresentação de Rogério Shimura, padeiro de longa tradição familiar (iniciada em 1946, com o tio-avô que fazia pão em casa e vendia de porta-em-porta na cidade de Mairiporã). Em 2018 esteve no Japão, convidado para ministrar aulas de panificação aos decasséguis.

Falou em seguida o empresário da área de construção civil, Norberto Shinji Mogi, residente há 27 anos no Japão, atual presidente da ong  Sabja – Serviço de Assistência aos Brasileiros no Japão. Otimista em relação ao intercâmbio nipo e brasileiro, acredita que “os nikkeis têm muito a fazer, oferecer e compartilhar no Japão”.

Renata Harumi Oshiro, formanda em engenharia mecânica, estagiária na empresa Ericsson, em São José dos Campos onde reside, é bolsista da Bolsa Shoei oferecida pelo CIATE. Falou sobre sua trajetória no Japão e garante que “os dois países têm pontos fortes e fracos e é possível ser feliz tanto em um como em outro”.

A embaixadora Maria Luiza Ribeiro Lopes da Silva, encarregada do comentário final baseado nos relatos de experiência dos convidados, garantiu que “foi um grande aprendizado”, e ressaltou a relevância de cada uma das apresentações.Não deixe de assistir a integra desta segunda live “30 Anos da Comunidade Brasileira no Japão”. Vale a pena. No link: https://www.youtube.com/watch?v=3RgUUsxsKYg

Confira o calendário de eventos completo