Ensino da língua japonesa: Brasil participa do encontro latino-americano

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Um encontro latino-americano inédito reunindo representantes de 11 países para tratar sobre o ensino da língua japonesa. Este evento aconteceu no último dia 24 de abril, das 17h às 21h, organizado pela FANA – Federación de Asociaciones Nikkei en la Argentina.

Trata-se do “Primer Encuentro virtual de Federaciones y Asociaciones representativas de las colectividades japonesas latinoamericanas” com “a finalidade de conhecer sobre as realidades das diferentes coletividades japonesas latino-americanas, compartilhar dados e informações, tratar um tema em comum e realizar conjuntas”, ressaltam os organizadores.

O programa, que reuniu representantes de 11 países, foi organizado em quatro partes: exposição dos representantes de cada país ressaltando a trajetória dos imigrantes japoneses em seu país. A segunda parte reuniu relatos sobre a situação do idioma japonês em seu respectivo país, seguindo-se depois, a apresentação de três pontos prioritários na agenda relacionada ao idioma japonês e, encerrando-se com o debate, opiniões e conclusões.

Após a saudação do presidente da FANA, Seibun Komesu e do secretário Ricardo Hokama, seguiram-se as palavras do Embaixador do Japão na Argentina, Takahiro Nakamae e diretor da JICA, Hiroyuki Takeda.

Os países participantes foram representados por:

Argentina: Seibun Komesu, Ricardo Hokama e Alejandra Hashimoto (diretores da FANA), Alejandro Shimazu (Centro de Cultura e Idioma Japonês na Argentina – Kyoren), Martín Akamine (REN – Red Nikkei)

Brasil: Renato Ishikawa (presidente do Bunkyo – Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e de Assistência Social) e Noritaka Yano, diretor do Bunkyo, presidente da Associação Panameicana Nikkei do Brasil e presidente do Conselho Deliberativo do Centro Brasileiro de Língua Japonesa durante 20 anos.

Bolívia: Katsumi Bani e Saki Watanabe (Asociación Nikkei Boliviano Japonesa)

Chile: Carolina Terawaki (Corporación Nikkei Valparaíso) e Pablo Sakamoto (Sociedad Japonesa de Beneficencia)

Colômbia: Ana M. Yoshioka e Mio Katsuyama (Asociación Colombo Japonesa)

Cuba: Susana L. Larrinaga e Manuel Morales (Comité Asociación. Nikkei de Cuba)

Rep. Dominicana: Arisa Tateyama e Tania Mukai (Fundoni)

México: Hideo Hayase e Akemi Shimazaki (Asociación. México Japonesa)

Paraguai: Eduardo Higaki, Makoto Shimo e Izumi Shirosawa (Federación Asociaciones Japonesas Nikkei en el Paraguay)

Peru: Antonio Yzena Shinzato e Victoria A. Yza (Asociación Peruano Japonés)

Venezuela: Kunio Hasuike Sakama e Shingo Nozawa (Federación Japonesa de Venezuela).

Ao final, na parte dos debates e discussões, foram feitas diversas propostas para serem desenvolvidas em conjunto, sendo que esse material será resumido e compartilhado entre as associações e órgãos japoneses participantes do encontro.

A Federação das Associações da Argentina

A Federación de Asociaciones Nikkei en la Argentina (F.A.N.A.) foi fundada em 1955, e como entidade representativa realiza várias atividades visando a melhoria da coletividade nikkei da Argentina.

O site da FANA indica que, atualmente, residem cerca de 50 mil nikkeis na República Argentina. Destaca que “coletividade japonesa está assimilada à sociedade local e simultaneamente guarda sua identidade por meio da realização de várias atividades”.

Para tanto, a Federação apoia seus associados, que são as instituições nikkeis, atuando na comunicação entre a associação nikkei e as instituições japonesas para promover melhor entendimento entre elas. Atualmente, 38 entidades estão envolvidas na Federação.

A participação brasileira no Encontro

“Incentivar a aproximação e fortalecer os laços entre os nikkeis e suas entidades de várias partes do mundo é de suma importância, principalmente neste momento crucial que estamos enfrentando”, destacou o presidente Renato Ishikawa, em sua saudação na abertura do evento que classificou como “feliz e desafiante iniciativa”.

Já Noritaka Yano, diretor do Bunkyo e presidente da Associação Panamericana Nikkei do Brasil, responsável por abordar especificamente sobre o tema deste 1º Encontro, iniciou sua apresentação tratando sobre a situação do idioma japonês comparando-se os períodos antes da Segunda Guerra, durante e no pós-guerra.

Na sequência da pauta, antes de citar os três pontos prioritários na agenda do idioma japonês, resumiu a situação atual no Brasil em três pontos: “a grande maioria dos nikkeis não sabe o ‘valor’ do idioma japonês; problemas na técnica de comunicação=metodologia” e aumento de “não-nikkeis” interessados em cultura japonesa e idioma japonês.

Yano ainda apresentou três pontos para melhoria e crescimento do ensino da língua japonesa. No primeiro, “criar mais professores do idioma japonês reconhecido pelo Ministério de Educação”. Lembrou que a Associação Panamericana Nikkei do Brasil – APN Brasil, tomou a iniciativa, e hoje está funcionando no Brasil a primeira faculdade de licenciatura de língua japonesa. O curso, com duração de quatro anos, está sendo realizado na Universidade Cruzeiro do Sul Virtual, no sistema de ensino à distância, aulas online, sob a colaboração acadêmica do Departamento de Língua Japonesa da USP.

O segundo ponto refere-se ao estágio no Japão para aperfeiçoamento do método de ensino da língua japonesa para estrangeiros. Cita que, entre as escolas destacadas estão: Shinjuku Japanese Language Institute, localizado em Tóquio; APU – Asian Pacific University (grupo Ritsumeikan University) localizado na cidade de Beppu (província de Ota) e Universidade Beppu – Setor de Língua Japonesa para Estrangeiros.

No terceiro ponto, Yano destacou a possibilidade de estudar o idioma japonês conhecendo a vida dos antepassados. De acordo com ele, “a aprendizagem do idioma japonês contribui para a formação da personalidade” e que “o menosprezo pelo idioma japonês tem como origem o desconhecimento ou interpretação errônea da História do Japão”. Ao mesmo tempo, admite que “criar o material didático sobre a História do Japão não será tarefa fácil” e propõe ao “Governo Japonês que tome iniciativa desse trabalho”. E, tem certeza, “de que todas as entidades japonesas existentes fora do Japão aderirão com prazer a esse movimento”.

Acompanhe a integra do Encontro no link: https://www.youtube.com/watch?v=dPbt6GBMoHQ

Confira o calendário de eventos completo