Dia da Imigração Japonesa, Homenagem na Estação Japão Liberdade do Metrô

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Vitrine com os arranjos de ikebana fica ao lado da bilheteria

 

Um arranjo especial com elementos japoneses e brasileiros para mostrar a união das duas culturas.

Com esta proposta, o Metrô e a Associação Ikebana do Brasil vão homenagear o Dia Nacional da Imigração Japonesa, com demonstração, a partir das 6h, de um arranjo especial de ikebana (arranjo floral japonês), que ficará exposto na vitrine da estação Japão-Liberdade, da Linha 1-Azul.
Esse trabalho será feito pelo arquiteto Valderson de Souza, da Escola Kado Ikenobo Nambei Shibu, com a assistência da professora Elza Furuyama.
Instalada em dezembro de 1993, a vitrine de ikebana da estação Japão Liberdade, é uma parceria da Linha da Cultura do Metrô com Associação de Ikebana do Brasil (www.ikebana.org.br). A cada semana, um novo arranjo floral pode ser apreciado pelos passageiros da estação.
Nesta arte, explica Cristina Sototuka, presidente da Associação Ikebana do Brasil e da Comissão de Ikebana do Bunkyio, “o autor reproduz a natureza em lugares determinados, sempre com atenção às linhas, ao volume e à harmonia das cores”.
Renan Andrade, coordenador de Ação Cultural e Acervo do Metrô, ressalta que “a vitrine é uma oportunidade única de, em meio ao caos do dia a dia na cidade, poder encontrar em um espaço público como o do Metrô, uma exposição dessa arte milenar”.

Painéis contam a história da Imigração Japonesa

Além da vitrine de ikebana, a estação Japão-Liberdade do Metrô conta com 11 painéis produzidos por artistas nipo-brasileiros durante a Expo Brasil-Japão de 1988. Fazem parte deste acervo, as seguintes obras e seus respectivos autores: “Paralelépípedo”, de Mário Noboru Ishikawa; “Bad Moon”, de Lúcio Yutaka Kume; “Sem Título”, de Hisae Sugishita; “O Imigrante – O Primeiro a Desembarcar”, de Oscar Satio Oiwa; “Projeto para uma Paixão Sem Fim”, de Milton Terumitsu Sogabe; “Momento – História”, de Laerte Yoshiro Orui; “Tempo I”, de Ayao Okamoto; “Pós – 80”, de Hironobu Kai; “Sem título”, de Yae Takeda; “Sem Título”, de Toshifumi Nakano e “Sem Título”, de Carlos Yasoshima.

O Metrô paulistano conta também com obras de outros dois artistas nipo-brasileiros: os painéis “Quatro Estações”, de Tomie Ohtake, na estação Consolação e a escultura “Sem Título”, de Akinori Nakatani, na estação Tiradentes.

 

Confira o calendário de eventos completo