644ª Reunião da Diretoria: Relato dos Diretores Regionais

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Realizou-se na noite do último dia 7 de julho, a 644ª Reunião da Diretoria com a participação dos Diretores Regionais da entidade, e pauta especialmente voltada aos interesses das regionais. O encontro, com duração de cerca de duas horas de meia, reuniu 23 dos 32 diretores regionais.

Após a saudação de Renato Ishikawa, presidente do Bunkyo, Carlos Rosa, vice-presidente da Japan House São Paulo iniciou a série de apresentações especiais da pauta. Além de ressaltar os objetivos e as realizações da instituição, foi exibida a saudação em vídeo do presidente Eric Klug. A oportunidade também contou com a presença de Claudio Kurita, diretor de Operações e Eventos.

Aos diretores regionais e interessados em geral, além do convite para visitar as instalações, os dirigentes informaram que uma das novidades é a “expansão geográfica” da Japan House levando suas mostras para novas cidades ou estados.

Na sequência, o presidente da Fundação Kunito Miyasaka, Roberto Nishio, além de relatar as atividades da instituição, destacou o significado e a importância do Parque Ecológico Imigrantes (do qual a Fundação é idealizadora, realizadora e mantenedora), localizado no município de São Bernardo do Campo, à beira da Rodovia dos Imigrantes.

O presidente Nishio ainda destacou que a Fundação tem contribuído com as atividades das entidades culturais nipo-brasileiras.

O presidente do CIATE – Centro de Informação ao Trabalhador no Exterior, Masato Ninomiya, destacou as inúmeras atividades desenvolvidas em 30 anos desde a fundação, tais como apresentação de empregos, orientações aos trabalhadores brasileiros para aposentadoria, leis trabalhistas, etc. Relatou as realizações do Ciate Itinerante e destacou a possibilidade de levar esse e outros eventos para as regionais, sem qualquer custo.

Relato dos diretores regionais

Dos 32 diretores regionais do Bunkyo, participaram da reunião 23 deles: Ken Nishikido (AM), Yuji Ikuta (PA), Roberto Mizushima (BA), Oscar Shimizu (MG), Shirley Atsumi (RJ), Hiroshi Taniguchi (RS), Roxana Shinohara (SC), Nilson Aguena (MS), Toshio Koketsu (Alta Sorocabana), Shinichi Yasunaga (Noroeste), Keniti Mizuno (Alta Paulista), Tadayoshi Hanada (Centro Oeste Paulista), Toshiaki Yamamura (Sudoeste e Vale do Ribeira), Shigueru Matsumoto (Mogi das Cruzes), Reinaldo Katsumata (Suzano), Isaac Miyaoka (Santo André), Kunime Iwamoto (São Bernardo do Campo), Sérgio Oda (São Paulo Leste), Jorge Suzuki (São Paulo Sul) e Paulo Nishimura (São Paulo Oeste).

Ken Nishikido, de Amazonas, informou que, desde 2008, preside a Associação Nipo-Brasileira da Amazônia Ocidental – NIPPAKU e que as atividades presenciais seguem restritas. Parabenizou a explanação de Roberto Nishio sobre a Fundação Kunito Miyazaka, ressaltando que desconhecia as referidas atividades.

Roberto Mizushima, da Bahia, destacou sua proposta em promover a integração das entidades da região por meio da realização de FIB – Fórum de Integração Bunkyo.

Oscar Shimizu, de Minas Gerais, relatou que está promovendo uma “arrumação da casa”, voltado mais às atividades internas, e que tem contado com a ajuda dos membros do seinen (jovens). Tem promovido o cadastramento das entidades do interior e divulgado as realizações do Bunkyo.

Shirley Atsumi, do Rio de Janeiro, enfatizou que o karaokê tem sido importante meio de interação das entidades locais, bem como para promover a motivação delas.

Roxana Shinohara, de Santa Catarina, informou que no mês de agosto, em parceria com a Secretaria da Cultura, programa realizar evento presencial.

Nilson Aguena, de Mato Grosso do Sul, disse estar otimista com a vacinação em seu estado – acredita que em setembro, chegará a 75% da população e, para tanto, programou o II Festival do Japão para novembro.

Toshio Koketsu, da Alta Sorocabana, admite que “foi um período difícil”, mas “foi um grande aprendizado para todas as entidades”, em busca de formas para garantir sua manutenção. Entre os eventos online na região, destacou o tradicional “Shokonsai” no Cemitério Japonês de Álvares Machado, que no ano passado completou 100 anos.

Shinichi Yasunaga, da Noroeste, relatou que as dificuldades das entidades locais não diferem das demais e destacou sua expectativa em realizar o FIB – Fórum de Integração Bunkyo na região.

Keniti Mizuno, da Alta Paulista, afirmou que as entidades locais estiveram bastante movimentadas nesta fase da pandemia – “muitas se reinventaram”, e outras aproveitaram para reformar suas instalações. “Marília como capital do beisebol, já retomou as atividades não só relacionadas ao beisebol e softbol”. De acordo com ele, esportes realizados ao ar livre foram retomados como futebol e tênis. Ou ainda grupo de orações da Seicho-no-Ie. “É importante que os pequenos grupos estejam ativos para poder colaborar com o Nikkey (Associação Cultural e Esportiva Nikkey de Marília) quando ele precisar”, destacou.

Tadayoshi Hanada, do Centro Oeste Paulista, afirmou que a região tem mantido as atividades de karaokê virtual e que o Instituto Cultural Nipo-Brasileiro de Campinas, do qual é presidente, tem realizado uma série de atividades presenciais visando recursos para manutenção da entidade.

Toshiaki Yamamura, da Sudoeste e do Vale do Ribeira, ressaltou que essas regionais reúnem 36 entidades e que seguem realizando eventos internos e oferecendo refeições via drive-thru. Disse estar preocupado com a continuidade das escolas de língua japonesa. Sua expectativa é voltar a realizar o Tooro Nagashi, também em memória às vitimas da covid-19.

Shigeru Matsumoto, de Mogi das Cruzes, informou que entre as atividades drive-thru estão a costelada e o sukiyaki, sempre com sucesso de vendas, e que o tradicional Festival Aki Matsuri foi prorrogado para o mês de outubro, desde que melhorem as condições da pandemia.

Reinaldo Katsumata, de Suzano, compartilhou o sucesso conquistado com a “Feijoada Solidária”, no sistema drive-thru e que, além de recursos para a entidade, conseguiu arrecadar meia tonelada de alimentos destinados às famílias vulneráveis em parceria com o Fundo Social da cidade.

Isaac Miyaoka, de Santo André, lamentou a morte do vereador Jorge Kina, no final de março, e desde então nenhuma reunião foi realizada na União das Entidades Nipo-Brasileiras de Santo André, entidade da qual ele era presidente.

Kunime Iwamoto, de São Bernardo do Campo, ciente da importância da realização do FIB – Fórum de Integração Bunkyo, informou que pretende realizar um evento de sustentabilidade (limpeza de uma praça, por exemplo) para adotá-lo como “case” para esse encontro. Disse que será criado o site da União Cultural Nipo-Brasileira de São Bernardo do Campo (fundada em 1956) que incluirá a história da entidade sob a coordenação dos jovens e que eles estão realizando entrevistas com os idosos para obter mais informações.

Sérgio Oda, de São Paulo Leste, informou que as atividades esportivas da região já foram retomadas e recursos para manutenção das entidades têm sido obtidos por meio de delivery e alguns eventos virtuais. O destaque da regional é o Sakura Matsuri, realizado no Parque do Carmo, que foi suspenso devido à pandemia. No entanto, explica, como o “este é um parque público, administrado pela Secretaria do Verde e do Meio Ambiente, o hanami (contemplar as flores de sakura), no ano passado, aconteceu naturalmente. E neste ano, o evento será realizado no mês de julho, pois a própria Secretaria pediu para que montassem uma organização mínima visando oferecer algum conforto aos visitantes”.

Jorge Suzuki, de São Paulo Sul, relatou que as aulas online do curso de língua japonesa, informática, inglês seguem normalmente. “No entanto, é muito grande a vontade para a retomada das atividades”, afirma, apontando que na ACE Saúde são realizados pequenos eventos, com venda interna de produtos e, em agosto, o Departamento de Atletismo realizará a Feijoada drive-thru. Ressaltou que essas pequenas iniciativas são importantes para manter o pessoal mobilizado e pronto para maior engajamento quando a situação permitir.

Paulo Nishimura, de São Paulo Oeste, destacou as profundas mudanças empreendidas junto à ACE Piratininga visando sua revitalização e que está empenhado em promover a união da comunidade regional aproximando entidades, escolas, clubes, entre outras organizações.

Encerrados os relatos, o vice-presidente Rodolfo Wada foi convidado pelo secretário Hugo Teruya, para relatar as atividades desenvolvidas pelos Comitês Jovem e Relacionamento visando formar grupos de jovens do Estado de São Paulo e outras localidades do país. De acordo com ele, os contatos estão sendo dirigidos aos diretores regionais para que indiquem seus jovens-líderes e que nas próximas semanas será realizada uma reunião virtual com os indicados. 

Dr. Roberto Nishio, presidente do Comitê de Relacionamento, solicitou apoio dos diretores para as indicações de jovens e enfatizou: “desejamos formar um extenso grupo de jovens que, graças ao conhecimento e fortalecimento da amizade entre eles, terão melhores condições de liderar a nossa comunidade”.

Jorge Yamashita, presidente do Conselho Deliberativo, em suas considerações finais, disse estar “admirado com as diversas formas de enfrentamento adotado pelas entidades” e acredita que as informações das três apresentações especiais da reunião poderão se “constituir em força latente assim que começar o trabalho presencial”.

Confira o calendário de eventos completo