Bunkyo Digital: Edição Especial da Cantora Misora Hibari

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Nos arquivos da internet, o concerto especial não está mais lá. Infelizmente. Na tarde do dia 17 de julho último, os 836 privilegiados que atenderam ao convite da Hibari Production Co. tiveram acesso gratuito ao concerto especial em homenagem aos 33 anos de falecimento da cantora Misora Hibari. Só naquele tempo programado.

As manifestações dos interessados em acessar o programa especial vieram de inúmeros países como: França, Estados Unidos, Canadá Uruguai, Colômbia, México, República Dominicana, Paraguai, Peru, além do Japão e do Brasil.

Graças à especial concessão de Kazuya Kato (presidente da produtora) e apoio da cantora Mariko Nakahira, os fãs do Brasil e de outros países da América Latina tiveram o privilégio de assistir à transmissão (com tradução para o português e legendagem de Jorge Suzuki).

Com duração de cerca de 2 horas, o programa teve início com o culto memorial junto ao tumulo da cantora, em Yokohama, que faleceu em 24 de junho de 1989, aos 52 anos de idade.

Kazuya Kato fez o papel de cicerone conduzindo o público tanto durante o culto budista, como na rápida visita ao Memorial situado na própria residência (incluindo um carro Cadillac importado usados nos compromissos profissionais – no dia-a-dia utilizava carro nacional) e bate-papo com três amigas de Hibari.

Após o culto, as apresentações de Misora, com destaque para sua carreira de cantora (ela atuou em170 filmes, gravou 118 singles, participou 18 vezes do Kohaku Utagassen e 30 novelas). Inicia-se com “Kanashiki Kuchibue”, sua estreia aos 12 anos de idade, em 1949. Das interpretações memoráveis, o concerto especial finaliza com o “hino” enka: “Kawa no Nagare no Youni”, interpretada no último grande show, em fevereiro de 1989 – a cantora faleceu quatro meses depois devido às complicações respiratórias.

Misora Hibari, ícone da música enka e da reconstrução do Japão pós-guerra, surge cantando no palco – ou em cenas de filmes -, em imagens em preto de branco e que vão ganhando cores nas décadas de 1960/70. Entre elas, uma cena memorável: Hibari interpreta a música “Soma Bon Uta” durante o show realizado Ginásio do Ibirapuera, em São Paulo, no dia 8 de agosto de 1970 (nesse dia, foram 3 apresentações com cerca de 40 mil pessoas).

As imagens passaram a ser em cores e ao mesmo tempo, seu ar angelical vai ganhando novos traços criados pela vida pontuada por inúmeras perdas e desencontros (que, aliás, dá absoluta legitimidade ao conteúdo cantado em suas músicas) e ao mesmo tempo, sua bela voz vai se aproxima da perfeição.

Em fevereiro de 1989, já com a saúde seriamente abalada, Hibari realiza seu grande show no gigantesco estádio Tokyo Domu. No palco, suas roupas em tecidos esvoaçantes envolvem a cantora por inteiro, dando a sensação de uma fênix que está partindo para a eternidade! É impressionante as imagens de cada movimento de seu rosto, de cada emoção, de cada palavra como se não houvesse a próxima vez. Privilégio de nós, mortais, poder assisti-la.

Celebração: reviver as boas lembranças

“Foi um privilégio poder coordenar essa iniciativa da homenagem a Misora Hibari por meio de nossas redes sociais”, destacou o presidente Renato Ishikawa, ao comentar sobre os números alcançados na tarde de sábado, dia 17 de julho.

Acrescentou ainda que, além do Brasil, o especial foi assistido no Peru, Paraguai e Japão e todos foram unânimes em agradecer a oportunidade de participar da homenagem à cantora.

O Especial Misora Hibari totalizou 836 visualizações, sendo que, durante essa live, o Bunkyo Digital atingiu a marca de 7.500 inscritos.

Interessante que, nessa plateia, 58,5% assistiram ao concerto de um celular, 21,8% de um computador e 16,2% de uma tela.

Na prática, calcula-se que a transmissão excede aos números registrados no Youtube, levando-se em conta que em algumas instituições de idosos, como Ikoi no Sono (Assistência Social D. José Gaspar) e Ipelândia Home (cerca de 70 pessoas), os internos reuniram-se em auditórios para acompanhar a programação.

“Firmes, atentos a cada palavra, outros cantarolando as canções”, essa é a observação do vice-presidente do Ikoi-no-Sono, Izumu Honda, durante as duas horas da transmissão do Especial. Na plateia estava Rosa Mukaewaki Hara que “parecia voltar aos velhos tempos e era nítido no seu olhar as boas lembranças revividas pelas canções”, ressaltou.

Em outras casas, como ocorreu com o atual presidente honorário do Bunkyo, Kokei Uehara que fez questão de reunir a família para assistir ao concerto especial.

Confira o calendário de eventos completo