Itsuki Hiroshi, show emocionante no Anhembi

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

17Neste dia 21 de novembro, finalmente, a realização de um velho desejo para os fãs da música enka, em especial, do cantor Itsuki Hiroshi.
Um tempo contado em décadas: há quase 35 anos realizou-se, no Ginásio do Ibirapuera, em São Paulo, a apresentação de Itsuki Hiroshi. Em 1996, o cantor esteve em São Paulo como cantor convidado do programa “Nodojiman Taikai”, da TV NHK, que gravou seu programa no exterior. Nesse meio tempo, várias tentativas frustradas de trazê-lo ao Brasil, até que, finalmente, o tão esperado show aconteceu no dia 21 de novembro, com duas apresentações no Centro de Convenções Anhembi.

O evento, que foi capitaneado pela M. Ikeda Produções e Eventos, teve as sessões lotadas – com o público (a maioria idosos nikkeis) vindo de várias locais do país.

Evento comemorativo aos 120 anos do Tratado de Amizade Brasil-Japão, na primeira sessão realizou-se a abertura oficial com a presença dos políticos nikkeis; do cônsul-geral do Japão, Takahiro Nakamae; dos representantes das cinco entidades nikkeis e do diretor administrativo do Banco Bradesco, Milton Matsumoto.

01Recebido com muitos aplausos, Itsuki Hiroshi entrou no palco de hakama (quimono de gala) para interprestar o Hino Nacional do Japão (o do Brasil foi cantado por Simoninha) e receber o título de Cidadão Paulistano da Câmara Municipal de São Paulo, por iniciativa do vereador George Hato.

“Não estou acreditando que isso está realizando”, e em seguida acrescentou, “este empreendimento não é coisa que se realiza sozinho”. Com estas palavras, Mario Ikeda, presidente da M. Ikeda Produção e Eventos, iniciou sua saudação na cerimônia de abertura que levou cerca de 40 minutos.

“Tudo começou com o meu sonho, também do Itsuki Hiroshi e também da comunidade nipo-brasileira, de vê-lo novamente aqui, entre nós”, continuou Ikeda, “acreditando sempre com determinação que um dia iria trazê-lo ao Brasil e aqui está o resultado”.

04No mesmo tom de Ikeda, o cantor Itsuki Hiroshi, em sua saudação, destacou sobre a emoção de se apresentar no Brasil depois de 35 anos. “A comemoração dos 120 anos de Amizade Brasil-Japão foi a oportunidade para este reencontro”, afirmou. “Ainda era muito jovem”, disse referindo-se à primeira apresentação em São Paulo (tinha 32 anos), ressaltando que “em minha vida artística de 50 anos, fiz inúmeras apresentações, mas guardo boas lembranças daquela apresentação feita há 35 anos e sempre tive vontade de retornar”.

Assim, com público e cantor sintonizados na mesma emoção, o concerto durou cerca de uma hora e meia, tempo para interpretar 32 canções. Na primeira parte, os velhos sucessos do cancioneiro enka, incluindo os sucessos de Missora Hibari (Ai sansan) e de Koga Masao (Kagewo Shitaite).

Depois foi a vez de seu próprio repertório, sendo que em algumas músicas, Itsuki Hiroshi contou com o acompanhamento do público, como em seu sucesso de estreia “Yokohama Tasogare”. Foi aplaudido com a interpretação da versão da música “Amigo”, de Roberto Carlos.

13O cantor trocou quatro vezes de roupa e, sem dúvida, a grande movimentação do público foi quando ele caminhou entre as poltronas (do setor A) enquanto cantava. Como era de se esperar, foi recebido com apertos de mãos e abraços efusivos, a despeito da interferência do pessoal encarregado da segurança.

Também cantou acompanhado de seu violão, companheiro que lhe inspirou várias composições, destacou Itsuki Hiroshi.

O final, talvez, para grande parte do público, foi surpreendente. Suas palavras de despedida foram interrompidas, engasgadas pelo choro incontrolável. Nas palavras dele, a promessa: “vamos nos reencontrar o mais breve possível”, no auditório lotado, com o público em pé, a resposta veio em um demorado aplauso.

{gallery}noticias/2015/novembro/show_itsuki_hiroshi_anhembi::::2{/gallery}

Confira o calendário de eventos completo