Nikkei Bungaku celebra 50 anos com lançamento de Livros

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

celebracaoA Associação Cultural e Literária Nikkei Bungaku do Brasil convida para o lançamento do livro “Celebração”, uma coleção de haicais premiados, em comemoração aos seus 50 anos de fundação. O evento acontece no Museu Histórico da Imigração Japonesa no Brasil, no dia 24 de setembro, e na ocasião também serão lançados “Trilhas Longinquas de Oku”, relato de viagem de Matsuo Bashô; e a obra de poesias Tanka “Três Tempos”.

Fundada em 1966 com o objetivo de promover a literatura e poesia em língua japonesa, a Nikkei Bungaku também vem desenvolvendo atividades em língua portuguesa para uma maior participação da sociedade brasileira e nipo-brasileira.

Em 1983, a entidade homenageou um de seus fundadores e seu primeiro presidente, Yoshio Takemoto, falecido naquele ano, com a criação do concurso literário que leva seu nome até hoje.

Atualmente, o Concurso Literário Yoshio Takemoto conta com cinco modalidades em língua japonesa: haiku, tanka, ensaio, conto e tradução do português para o japonês; além de outras quatro modalidades em língua portuguesa: haicai, poesia, conto e tradução do japonês para o português (gradualmente introduzidas a partir de 2005).

O lançamento da coletânea “Celebração” traz os poemas premiados neste concurso, nas edições de 2005 a 2015, registrando a inclusão da língua portuguesa nas atividades da Associação Cultural e Literária Nikkei Bungaku do Brasil, bem como comemorando os 50 anos de atuação da entidade.

“Com a publicação desta antologia, a Associação Cultural e Literária Nikkei Bungaku do Brasil cumpre a sua missão de divulgar e preservar a produção literária de seus associados e de amantes da boa literatura, para o conhecimento das gerações futuras”, destaca Kenji Takemoto, presidente da entidade desde 2011.

Simultaneamente, acontecerá o lançamento do livro “Trilhas Longinquas de Oku”, relato de viagem de Matsuo Bashô traduzido para o português por Meiko Shimon; e “Três Tempos”, poesias Tanka, de Neide Rocha Portugal, versão para a língua japonesa de Michiyo Nakata.

Data: 24 de setembro de 2016, sábado, das 13h30 às 16h30
Local: Museu Histórico da Imigração Japonesa no Brasil
Rua São Joaquim, 381 – 9º andar – Liberdade – São Paulo – SP
(próx. à Estação São Joaquim do Metrô)

SOBRE OS LIVROS

Celebração
Coletânea de haicais do Concurso Literário Yoshio Takemoto (edições de 2005 a 2015)
Organizadora: Teruko Oda

Designada pela Associação Cultural e Literária Nikkei Bungaku do Brasil, Teruco Oda abraçou de corpo e alma o papel de organizadora deste livro. Professora e poeta, nasceu em Pereira Barreto (SP) e atualmente exerce a função de orientadora do Grêmio Haicai Ipê de São Paulo.
Uma das fundadoras (outubro de 1993) do Grupo de Renku Caleidoscópio (SP) idealizado por seu mestre H. Masuda Goga; e do Grêmio de Haicai “Caminho das Águas” de Santos (SP) em agosto de 1995.
Há 14 anos, organiza e coordena as várias etapas do Concurso Brasileiro de Haicai Infanto Juvenil, evento anual idealizado pelo Grêmio Haicai Ipê, de São Paulo, destinado a alunos do ensino Fundamental e Médio de todo o país.
Coordenadora da etapa brasileira do World Children’s Haiku Contest, concurso mundial de haiku para crianças: realização da JAL Foundation Tokio, sob copatrocínio da empresa aérea Japan Airlines International e apoio da UNICEF (evento bi anual destinado a estudantes de todos os continentes com idade inferior a 14 anos).
Autora de dez obras individuais, seis em coautoria; participação em dezenas de publicações no Brasil e no exterior.
No intuito de divulgar o haicai em língua portuguesa, contribui para a formação de novos grêmios de haicai pelo país. Sob sua orientação e apoio, foram fundados grêmios em Irati, Cornélio Procópio e Bandeirantes, todos no Estado do Paraná. E no Rio de Janeiro, na capital e na cidade de Magé.

Trilhas Longinquas de Oku
Literatura Japonesa – Bilingue
Tradução português: Meiko Shimon

trilhas longinquas de okuMatsuo Basho é bastante conhecido no Brasil e considerado no Japão como o mais importante haicaísta de todos os tempos. Trilhas longínquas de Oku, que inclui muitos de seus haicais mais conhecidos, é o seu mais famoso relato de viagem. A influência desse livro na nossa poesia remonta à primeira geração de modernistas e segue até nossos dias. Ela está presente na obra de autores como Oswald de Andrade, Manuel Bandeira, Haroldo de Campos e Paulo Leminski, para mencionarmos apenas os casos mais célebres. Por outro lado, a literatura de Basho raramente nos chega em primeira mão. Esta é a primeira edição brasileira completa e bilíngue de Trilhas longínquas de Oku, realizada diretamente a partir do texto em japonês clássico, por uma especialista em literatura japonesa. Ela é fruto de anos de experiência em tradução e pesquisa sobre Basho e sua obra, e coroa a carreira de uma das mais importantes tradutoras em atividade no Brasil.
Trata-se de uma edição ideal para o leitor que se lança agora na poesia japonesa, em razão da imediatez e do frescor de suas traduções, bem como do cuidado com que as notas explicativas foram elaboradas. Além disso, é referência essencial para o especialista, quer em literatura japonesa, quer em literatura brasileira, pela profundidade do trabalho de interpretação, realizado com um ouvido certeiro para o japonês clássico, sem recorrer a intermediários ou retraduções. O rigor com que a arte do haicai, mundialmente reconhecida pelo seu poder de síntese, se apresenta aqui vertida para o português foi raramente igualado em nossa história de traduções de poesia publicadas no Brasil. Andrei Cunha, Professor de Literatura Japonesa e Doutor em Literatura Comparada, UFRGS.

Meiko Shimon, nasceu em Kyoto e veio ainda jovem para o Brasil. Entre 1968 e 2008, residiu em Porto Alegre, onde estudou Engenharia Civil e Letras. Mestre em Língua, Literatura e Cultura Japonesa pela USP, é autora de Concepção estética de Kawabata Yasunari em Tanagokoro no shosetsu – Contos que cabem na palma da mão (Editora da UFRGS, 2000). Foi professora assistente de língua, tradução e literatura japonesa na UFRGS. Atualmente, vive em São Paulo e traduz escritores japoneses, em especial Yasunari Kawabata, de quem a Estação Liberdade lançou, entre outros, A casa das belas adormecidas (2004), Kyoto (2006), Contos da palma da mão (2008), O lago (2010), O mestre de Go (2011) e A gangue escarlate de Asakusa (2013).

tres temposTrês Tempos
Livro de Tankas, bilíngue
Autora: Neide Rocha Portugal
Versão para língua japonesa: Michiyo Nakata

Neide Rocha Portugal, Engenheira Agrônoma e Psicopedagoga. Paranaense de Cornélio Procópio, hoje residente em Bandeirantes (PR). Iniciou a prática do HAICAI (Grêmio Ipê – SP) em 1995. A partir de 2005, apresenta e trabalha o HAICAI com alunos da APAE. Ao ler os TANKAS de Takuboku Ishikawa (1885-1912), identificou-se com este poeta e seus poemas. Assim trabalhou para o seu 1° livro ‘TRÊS TEMPOS’- com 71 TANKAS, no intuito de divulgar a Literatura Japonesa no Brasil. Já publicou 11 livros. A autora é eternamente grata a todos que colaboraram nesta jornada poética.

Michiyo Nakata, natural da província de Aomori, Japão, imigrou ao Brasil em 1955 junto com a família.
Atuou como professora de língua japonesa, tradutora e ensaísta. Atualmente é redatora-chefe da revista Brasil Nikkei Bungaku. Em 2006, foi vencedora do 8º Concurso literário Uchida Hyakken (Japão) e do Prêmio Literário da Colonia Japonesa com a obra “A minha Kurashic (Watashino Kurachikki). Entre suas publicações conjuntas estão Nihonjin; Conversação Cotidiana da Língua Japonesa; Japonês-Avançado vol. 1-4; Contos e Lendas do Folclore Brasileiro vol.1-2 (bilíngue); História das Mulheres Imigrantes no Brasil; História do Ensino da Língua Japonesa no Brasil (bilíngue); Centenário da Imigração Japonesa no Brasil, Parte 3: Vida e Cultura 1 e Vida e Cultura 2.

QUEM FOI YOSHIO TAKEMOTO

Nasceu em 15 de outubro de 1911 no bairro de Kumayama, Província de Okayama, Japão. Em 1930, após concluir o ensino fundamental II, emigrou para o Brasil, estabelecendo-se no núcleo de colonização Primeira Aliança, em Mirandópolis, região noroeste do estado de São Paulo. Em 1935, mudou-se para a cidade de São Paulo, onde trabalhou como professor de língua japonesa na escola Guiossei Gakuen e na revista cultural Kooya no Hoshi como redator. Em 1936 fundou a São Paulo Tanka-kai, associação destinada à prática da poesia tanka. Ao longo de sua vida, totalmente dedicada à difusão e preservação da literatura e da cultura japonesa no Brasil, colaborou decisivamente na elaboração, edição e lançamento de várias publicações de haiku, tanka e shi, tendo exercido a função de redator-chefe da Revista Colonia em 1956, editada pela Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa – Bunkyo.
Em 1959, exerceu a função de redator-chefe na elaboração de livros didáticos denominados Nippongo Kyokasho, adaptados para o ensino da língua japonesa no Brasil, tomos 1 a 11. Em 1966, foi um dos fundadores da Associação Colônia Bungaku. Em 1980 fundou a Associação Colônia Shibungaku, antecessora da atual Brasil Nikkei Bungaku e que em 1999 lançou o 1º volume da revista Brasil Nikkei Bungaku. Em 1983, após seu falecimento, a diretoria da Colônia Shibungaku lançou o Concurso Literário Yoshio Takemoto em sua homenagem. Em 2003, no 20º ano de seu falecimento, foi homenageado com uma lápide na Praça Almeida Junior, bairro da Liberdade, cidade de São Paulo.

Associação Cultural e Literária Nikkei Bungaku
www.nikkeibungaku.org.br

Confira o calendário de eventos completo